segunda-feira, 12 de junho de 2017

Por que o brasileiro não conhece D. Pedro II?


Não seria erro ou exagero dizer que o brasileiro não conhece a história de seu próprio país. Poderíamos elencar dois grandes motivos a tal ignorância e, ainda, darmos um exemplo claríssimo de tal efeito da (des)educação que o Brasil sofreu e sofre todos estes anos. Agora permitam-me usar Portugal como contraponto em uma experiência vivida por mim, não há muito tempo.

Estava eu numa cafetaria portuense à espera de minha meia de leite quando fui surpreendido pelo teor da conversação do dono da casa e dois de seus clientes. Eles falavam sobre o rei D. João I, Mestre de Avis. O dono da cafetaria disse com ar professoral:

- Você sabe o porquê de D. João I ter em sua montaria uma corda?

- Não, respondeu o homem indagado.

- Ele o tem porque demonstra o domínio da razão sobre a força. E você bem o sabe que foi D. João I que mais teve que conviver com a força e com a turbulência para pacificar e manter Portugal livre de Castela...

- Sim, é verdade, respondeu o homem com ar de conhecimento adquirido.

Eu, que lá estava a tomar meu café, nesta altura, peguei meu bloco de apontamentos e registei esta conversação, pois é de meu profundo interesse todo o conhecimento que exista sobre história portuguesa e sua variação na história brasileira. Aprendi ao tomar café muito sobre um capítulo anedótico da história de Portugal em uma saída fortuita de casa, sobretudo porque foi a poucos metros de onde moro.

E isto seria possível no Brasil?

A partida sim. O Brasil, em relação à sua brevíssima casa imperial só tem dois representantes, a extrair os regentes da menoridade de D. Pedro II. Este foi imperador de 1841 a 1889, aquando da Proclamação da República. O seu pai D. Pedro I do Brasil (e D. Pedro IV de Portugal) governou muito pouco tempo o Brasil (cerca de nove anos) e este tempo não lá foram de grandes destaques de governação. Mas, conforme a história conta, o seu filho deixou um legado de grande estadista, de grande rei, de cultura vastíssima e de melhorias gigantes no país que encontrara. Mas e por qual razão nada disto passou ao conhecimento público? Aí entram os dois motivos sobre-citados.

Em primeiro lugar o Brasil não parece ter interesse em passar conhecimento. O professor de história, como vários outros, despeja conceções ideológicas como incontinência por toda a aula, e em todas as aulas. O aluno de história no Brasil sabe mais das distorções de Marx e da criação Che Guevara, ou mesmo do terrorista (é este o nome) Marighella, do que de sua casa imperial. A ignorância é tamanha que o nosso Ministro das Relações Exteriores, chefe da diplomacia brasileira, em uma manifestação gritante de desconhecimento que deveria envergonhar a todos, veio-nos brindar com a classificação de um "Orleáns e Bragança" como imigrante. Seria como um português chamar a Dinastia de Avis, por exemplo, de estrangeira. Erro crasso, mais que crasso, erro que demonstra o colapso completo do sistema educacional brasileiro, responsável por estar nas derradeiras posições na avaliação do PISA.

Para além disto, ainda há um outro motivo: pela presença do primeiro motivo, o brasileiro costuma ser manipulado na visão da história de acordo com os interesses antigos republicanos. Como a república no mundo costuma ter a aura de imaculada e fim último da inserção da democracia, em terras tupiniquins esta república veio e se impôs pela mentira ou omissão dos factos relacionados ao Império. Hoje vemos a Lula e seus asseclas dizerem que este foi o maior governante brasileiro diante da figura obscurecida, quase caída no ostracismo de D. Pedro II, um dos mais injustiçados nomes de nossa narrativa (nossa memória).

Graham Bell e Charles Darwin, por exemplo, para citar dois cientistas (concorde-se ou não com as suas teses, mas grandes representantes de suas áreas) reconheciam no imperador brasileiro homem de grande cultura e preocupação com o conhecimento. Foi em seu governo que foi criado o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o conceituado Colégio Pedro II, que hoje tornou-se sinal de vergonha e ideologia partidária. Ali, senhoras e senhores, e na área de educação, saúde, cultura, o nosso imperador tirou o Brasil das sombras absolutas do analfabetismo e criou a primeira grande mudança social. A Lei Áurea, do fim de seu governo, e feita por sua filha, a Princesa Isabel, nada mais é do que uma representação do que houve sob seu interessado governo. Moderado e grande - profundo - conhecedor do país que tinha sob seus cuidados, D. Pedro II enunciou esta frase acima (sobre o dever duro de governar) como mantra, verdadeira vocação no sentido dado por Max Weber à política para o político. Mas tudo isto é ignorado por conta de uma orquestrada falta de conhecimento, grosseria científica de privilegiar Luís Carlos Prestes ou Getúlia Vargas a um grande governante como foi o altivo imperador, admirado por Machado de Assis. Daí a razão clara de vivermos este ostracismo total. Daí a resposta negativa à pergunta título significar tanto do desprezo e da alergia que o brasileiro desenvolveu pelo saber. Não é à toa que o país está como está.


Eustáquio Silva.

Sem comentários:

Enviar um comentário